quarta-feira, 27 de novembro de 2013

O que vale mais

O QUE VALE MAIS

 

“E, dizendo alguns a respeito do templo, que estava ornado de formosas pedras e dádivas, disse: Quanto a estas coisas que vedes, dias virão em que se não deixará pedra sobre pedra que não seja derribada” (Lc. 21:5-6)

 

Algumas pessoas estavam falando a respeito do templo, de como ele estava ornado de formosas pedras e dádivas. Exaltavam o templo por causa de sua beleza exterior; admiravam seu tamanho, grandeza arquitetônica e riquíssima decoração. E isso é muito natural. Não é assim que também nos comportamos quando vamos a determinados lugares?

Entretanto, as pessoas que falavam com Jesus sobre o templo não receberam nenhuma resposta positiva. O que foi que Jesus disse? Em momento algum ele pareceu comungar da mesma admiração daquelas pessoas, mas disse simplesmente que não ficaria pedra sobre pedra; tudo seria derrubado, e o foi, daí a mais alguns anos.

É difícil imaginar o quão estranhas e alarmantes essas palavras soaram aos ouvidos dos judeus. Afinal, foram proferidas a respeito de uma construção que eles reverenciavam com veneração idólatra. Era um edifício que continha a arca da aliança, o Santo dos Santos e a mobília simbólica, feita de acordo com o modelo apresentado pelo próprio Deus (Veja em êxodo, a partir do capítulo 25). Foram proferidas a respeito de uma construção associada aos nomes mais proeminentes da história deles – Davi, Salomão, Ezequias, Josias, Isaías, Jeremias, Esdras e Neemias. Foram proferidas a respeito de uma construção em direção à qual todo judeu piedoso curvava sua fronte, em qualquer lugar do mundo, quando apresentava suas orações diárias – Veja 1 Reis 8.44 e Daniel 6.10.

No entanto, tais palavras foram ditas com sabedoria. Tinham, certamente, como um dos propósitos, o de ensinar que a verdadeira glória de um lugar de adoração não consiste em beleza externa.

A beleza externa, é óbvio, tem a sua importância. Já pensou se todas as janelas do templo em que cultuamos juntos a Deus estivessem quebradas, as paredes todas riscadas e sujas...? Seria ruim, não é? Certamente que logo daríamos um jeito de arrumar tudo. Mas o que é mais importante, e o que mais conta para o Senhor, é se há nesse lugar verdadeira adoração espiritual.

Sem dúvida, é adequado e correto que os edifícios separados para adoração a Cristo sejam dignos do propósito para o qual são utilizados. Tudo o que fazemos para Cristo deve ser bem feito. No prédio em que o evangelho é proclamado, a Palavra de Deus é exposta e orações são dirigidas a Deus, não deve faltar nada que possamos adquirir para que o torne mais agradável. Porém, devemos sempre lembrar que o aspecto material de uma igreja cristã é o menos importante. Tudo isso será sem valor aos olhos de Deus a menos que a verdade esteja sendo proclamada do púlpito e a graça de Deus reine no coração dos que ali se reúnem.

O templo com o qual o Senhor Jesus mais se deleita é um coração quebrantado, contrito e regenerado pelo Espírito Santo. Isso é o que tem mais valor.

 

Adaptado por Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Fonte: Meditações no Evangelho de Lucas – J. C. Ryle

Muqui – 01 de Dezembro de 2013

 

sábado, 23 de novembro de 2013

A PERGUNTA QUE NÃO QUER E NÃO PODE CALAR

 

AlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegre

 

 

A PERGUNTA QUE NÃO QUER E NÃO PODE CALAR

 

“Lembra-te do teu Criador... antes que... o pó volte à terra, como era, e o espírito volte a Deus, que o deu”  (partes de Eclesiastes 12)

 

“Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo” (Hebreus 9.27)

 

 

 

 

1.    A cronista Danuza leão escreveu no dia 27 de Setembro deste ano (2009), para o jornal Folha de São Paulo, sobre o empresário brasileiro Eike Batista. Eis um resumo que foi enviado pelo Pr. Israel Belo de Azevedo a título de reflexão:

 

"Não vou falar de suas empresas de mineração, da TVX, que acumula 300 toneladas de ouro (os negócios de Eike têm sempre a letra X, sinal de multiplicação), dos negócios que só os homens de negócios compreendem, mas da diversificação dos novos empreendimentos do empresário. Eike decidiu abrir na Lagoa o restaurante Mr. Lam, e trouxe o cozinheiro do melhor restaurante chinês de Nova York. Foi um acontecimento, e o Rio de Janeiro durante um tempo só falou nisso. Não contente, ele decidiu entrar no território do turismo e mandou adaptar um grande barco para fazer passeios na baía de Guanabara. Pensa que terminou? Não; Eike comprou o Hotel Glória, um ícone da cidade, tanto quanto o Copacabana Palace (...). O hotel está fechado, e é um mistério o que vai acontecer com ele. Recentemente, Renata Almeida Magalhães (...) escreveu um artigo em "O Globo" ressentida com o pouco apoio que recebeu da Finep para terminar o filme do qual é produtora; faltavam R$ 500 mil, que ela não conseguiu obter. Tocado pelo artigo, Eike ligou para ela (...) e mandou um cheque de R$ 1 milhão. (...) Eike tomou a si a responsabilidade de limpar a lagoa Rodrigo de Freitas e assegurou que em dois anos poderemos todos estar nadando nas suas águas, que estarão cristalinas; ah, e agora quer comprar os 30% do Bradesco na Vale. Eike Batista sonha em ser o homem mais rico do mundo, e certamente o será. Agora, a pergunta que não quer calar: e depois, Eike Batista?"

 

2.    A que Danuza Leão quis se referir com essa pergunta endereçada no texto a Eike Batista, ela não deixa explícito, mas trata-se de uma pergunta importante que todos deveríamos nos fazer em relação à “vida após esta vida”.

3.    Em Marcos 8.36 encontramos Jesus questionando: “Que aproveita ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?

4.    Em Lucas 12.16-20 Jesus conta uma parábola:

 

“... a herdade de um homem rico tinha produzido com abundância. E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: derribarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; e direi à minha alma: alma, tens em depósito muitos bens, para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma, e o que tens preparado para quem será?” (Lucas 12:16-20 RC)

 

5.    Há um folhetinho publicado pela agência missionária Interlink cujo título é “Você e a Eternidade”. Nele há alguns pontos bem interessantes nos quais faremos bem em refletir. São eles (do folheto estão aí só os tópicos – os comentários não fazem parte da mesma fonte):

a.    Lembre-se de que há uma eternidade.

b.    Lembre-se de que você tem que passar (viver) esta eternidade em algum lugar.

                                  i.    Mas infelizmente talvez você não esteja muito interessado nisso, não é?.

                                ii.    Registrou-se que no ano de 1987 alguém se propôs a perguntar a 365 pessoas - uma por dia, de 1 de janeiro a 31 de dezembro - onde passariam a eternidade. Ao final daquele ano, 333 responderam que não sabiam. O evangelista acostumou-se a essa resposta, tantas vezes repetidas: "Não sei, não sei, não sei...". O que lhe causou maior tristeza, no entanto, não foi esse tipo de ignorância, mas o fato que, em geral, essas pessoas não se revelaram interessadas em saber. Será que as estatísticas mudaram para melhor de lá para cá?

c.    A questão onde você passará (viverá) a eternidade é muito mais importante do que a questão de onde (ou como) você passará a sua vida presente;

                                  i.    Jesus conta uma parábola, que foi intitulada “a parábola do rico e Lázaro”, que demonstra muito bem isso. Se você quiser leia essa parábola em Lucas 16.19ss.

d.    É possível sabermos onde passaremos (viveremos) a eternidade;

                                  i.    Jesus afirma em João 14.6: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vai ao Pai senão por Mim”.

                                ii.    Em João 1.12, 3.16, 18 e 36 lemos acerca de Jesus:

 

“... a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome,” / “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” / “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” / “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna, mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece”

 

                               iii.    Esses trechos, além de outros mais, mostram que:

e.    Onde você passará (viverá) a eternidade dependerá de sua atitude em relação a Cristo

                                  i.    Na estratégia evangelística conhecida como “evangelismo explosivo” há duas perguntas essenciais que são feitas, sendo que a segunda dependerá da resposta à primeira.

1.    A primeira pergunta é: “Se você morresse hoje, para onde você iria?”

2.    E a segunda, no caso de a pessoa responder que irá para o céu, é: “Mas o céu é de Deus. Por que Deus permitiria a você entrar no Seu céu?”

                                ii.    Onde você viverá a eternidade não depende da igreja a que você freqüentou, do pastor que lhe pastoreou, de seus méritos pessoais... não! Onde você viverá a eternidade dependerá de sua atitude em relação a Cristo; dependerá de se, arrependido de seus pecados, você o recebeu pela fé como seu Salvador e Senhor. Jesus começou seu ministério anunciando: “O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no evangelho”. É certo que aquele que, arrependido de seus pecados, recebe a Jesus pela fé, tem muitas de suas atitudes, suas motivações, seu modo de viver e de pensar a vida modificados, mas trata-se de um morrer e um renascer a partir de Cristo e em Cristo e não de uma reforma a partir de você mesmo.

6.    A pergunta que não quer e não pode calar é “e depois?”. O que será de você depois, na eternidade?

7.    “Mais além do pó existe uma eternidade pra se viver; onde você vai passá-la? Responda que eu quero saber”, diz parte de uma antiga música cantada pelo grupo musical Novo Alvorecer.

8.    “Aqui não é meu lar, um viajante sou; meu lar é lá no céu, Jesus já preparou. Avisto no portal um anjo a chamar; em meu lar celestial espero logo entrar”, diz uma outra música.

9.    E você... depois... além do pó... na eternidade?

10. Pense nisso!

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

 

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

GLORIE-SE NA CRUZ


GLORIE-SE NA CRUZ

 

“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo” (Gálatas 6:14 DO)


1.    Conta-nos uma história que

 

            Uma rã estava vibrando de alegria por poder voltar ao lago depois de um longo e frio inverno. Dirigindo-se a um lago das proximidades, encontrou dois gansos selvagens, com os quais começou a conversar. Elogiou-os bastante pela beleza deles e depois perguntou se não podia acompanhá-los na viagem de migração.

            - Concordamos – disseram os gansos – mas como você pode ir conosco se não tem asas?

            - Deixem isso por minha conta; eu sou muito esperta – respondeu a rã.

            No dia marcado para a partida a rã trouxe uma vareta de junco e fez com que cada ganso segurasse com o bico uma das extremidades da varinha, e ela agarrou-se com a boca no meio da vara.

            Assim iniciaram a jornada. Tudo ia muito bem, mas quando os gansos, em vôo baixo, passaram por uma aldeia, os seus habitantes saíram para a rua e, atônitos, exclamaram:

            - “Que maravilha! Que mente privilegiada teria tido tão inteligente e singular iniciativa?”

            A rã, orgulhosa pelos aplausos do povo, insensatamente abriu a boca e respondeu:

            - Vocês não estão vendo logo que fui eu?

            A falta de humildade, o gloriar-se em si mesma, levou-a à morte.

 

2.    Uma outra história, uma lenda, diz-nos que

 

Dois homens aproximaram-se dos portões da cidade celestial. Um deles, de porte atlético, orgulhoso e arrogante, confiado na sua excepcional estatura e vigor físico, procurou logo, apressadamente, passar à frente do outro, a fim de entrar primeiro. Mas, que decepção! O portão não era suficientemente alto para permitir que o “gigante” o transpusesse. E em desespero ele exclamou: “Já havia lido que as portas do reino eram estreitas, mas quem teria sido o insensato que as construiu tão baixas?

 

3.    Em Gálatas 6.14 Paulo diz que a única coisa em que ele se gloriava era na cruz de Cristo. E certamente que ele não estava pensando no *madeiro*, mas no *ato* ocorrido na cruz e o que tal ato significou.

4.    Muitos dão grande importância à figura da cruz. Carregam-na no pescoço, na roupa, no dedo, etc., mas não no coração. Ela tornou-se como um amuleto da sorte. Mas Paulo viveu pela mensagem da cruz, que foi o seu grande tema.

5.    De que Paulo poderia ter se gloriado?

a.    Paulo poderia ter se gloriado de sua origem – Veja Filipenses 3:4-7 e 2 Coríntios 11.22

b.    Paulo poderia ter se gloriado de sua erudição e educação religiosa – Veja Atos 22:3

c.    Paulo poderia ter se gloriado de sua conduta exemplar diante dos judeus – Veja Atos 26:4-5

d.    Paulo poderia ter se gloriado também de suas altas revelações, suas curas, seus grandes sucessos.

6.    Porém, gloriou-se somente na cruz e nunca se envergonhou dela – Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.” (Romanos 1:16)

7.    Por que devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo?

a.    Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque ela irradia o amor de Deus – Veja João 3.16.

b.    Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque nela o amor de Cristo alcançou o seu ponto culminante

c.    Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque pela cruz, nossos pecados foram expiados (perdoado) – Veja 2 Coríntios 5:19; Hebreus 9.26; 1 Pedro 2.24 e Romanos 5.10

d.    Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque pela cruz, foi tirada a maldição que pesava sobre nós – Veja Gálatas 3:13

e.    Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque por ela, grandes bênçãos nos são asseguradas – Veja Romanos 8:32

f.     Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque pela cruz nós somos vencedores – Veja Apocalipse 12:11

g.    Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque por ela fomos feitos filhos e herdeiros de Deus – Veja Romanos 8:17

h.    Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque por ela Deus, em Cristo, tornou possível a nossa conversão – Veja João 3:14-15

i.      Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque por ela Deus, em Cristo, tornou possível a nossa santificação – Veja Romanos 6:6

j.      Devemos nos gloriar somente na Cruz de Cristo porque ela, ou o Cristo crucificado, é o meio usado por Deus para a salvação de todo o que crê – Veja 1 Coríntios 1:22-24

8.    Em que você tem se gloriado em sua vida?

a.    Sua inteligência?

b.    Seu sucesso?

c.    Ou outras coisas?

9.    Ou talvez você esteja frustrado porque sua inteligência não é tão privilegiada quanto você gostaria, seu sucesso não é tão grande e outras coisas mais que em sua vida não são ou acontecem como você gostaria.

10. Esqueça tudo isso! Não se importe!

11. Que glória terão essas coisas daqui a alguns anos?

12. A cruz de Cristo constitui-se em a única “coisa” que pode levar-nos para junto de Deus para sempre, e, se há algo de que nós podemos gloriar, ela é esse algo.

 

            Esboço extraído de “Mil Esboços Bíblicos”

 

Muqui – Novembro de 2013

 

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

SE EU ANDAR COM DEUS PELA FÉ…


SE EU ANDAR COM DEUS PELA FÉ...

 

“Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu, e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé.” (Hebreus 11:7 RC)

 

1.    Betty Bacon escreveu um artigo bem interessante intitulado “A Morte na Boca do Povo”, artigo esse que saiu impresso na revista Vox Scripturae de Março de 1996.

2.    Falando sobre as diversas formas de os povos se referirem à morte de alguém ela se refere também às fórmulas que são encontradas na Bíblia, dentre elas a que se repete por todo o capítulo 5 do livro de Gênesis e que diz: “(fulano) viveu (tantos) anos, e gerou a (sicrano). Depois que gerou a (sicrano), viveu (tantos) anos, e teve filhos e filhas. Todos os dias de (fulano) foram (tantos) anos, e teve filhos e filhas. Todos os dias de (fulano) foram (tantos) anos, e morreu”.

3.    Entretanto, em meio a esses relatos, algumas surpresas surgem, mudando a fórmula, quebrando a rotina.

4.    Uma dessas surpresas se refere a Enoque, nos versos 21 a 24, e a outra é encontrada no verso 29 e consiste de uma explicação do nome de Noé.

5.    Betty Bacon comenta esse fato dizendo que “fica claro que, no caso de Noé, como no de Enoque, a mudança de estilo e de conteúdo deve-se a mais um passo na restauração do relacionamento do homem com Deus. Quebra-se a rotina estabelecida da história humana quando os homens “andam com Deus”, como esses dois tinham feito”.

6.    Enoque andou com Deus e não viu a morte – foi trasladado.

7.    Sobre Noé, ainda que não esteja escrito claramente com todas as letras, está “explicitamente implícito” no texto que ele também foi alguém que andou com Deus. Não foi trasladado como Enoque, mas foi feito por Deus:

a.    O portador de uma mensagem de Deus para os homens;

b.    O “salvador da raça humana”;

c.    O portador de uma grande promessa de Deus e

d.    Um monumento da graça – conforme o texto de Hebreus inserido no início dessa reflexão “herdeiro da justiça que é pela fé”.

8.    Maravilha, não?!

9.    Isso lhe diz alguma coisa? A mim diz.

10. Histórias de homens como Enoque e Noé são para mim referenciais, e, com base também nas Sagradas Escrituras como um todo, me dizem que se eu andar com Deus pela fé, grandes maravilhas Ele poderá operar em mim e através de mim.

11. Mas o que significa “andar com Deus pela fé” e como posso saber se ando com Deus pela fé? E Que tipos de maravilhas poderá Deus operar usando a mim como instrumento se eu andar com Ele pela fé? Vejamos:

 

I. O que significa andar com Deus pela fé e como posso saber se ando com Deus pela fé?

 

1.    Primeiramente leiamos o que está escrito em Hebreus 11.1: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem.” (RC)

2.    O texto fala de esperança (coisas que se esperam e que ainda se não vêem), mas também fala de fé – a esperança está fundamentada na fé que se tem em Deus, o autor das promessas.

3.    Andar com Deus pela fé é, portanto, viver a vida neste mundo com a firme convicção de que tudo o que Ele prometeu há de cumprir, e, portanto, sendo-lhe obedientes em tudo, em todo o Seu direcionamento. Lembram-se do exemplo de Noé? Ele creu, e por crer passou a agir conforme Deus lhe orientava.

4.    E o que Deus nos tem prometido? Vejamos apenas três promessas:

a.    A promessa do retorno triunfante de Cristo – Veja Tito 2.13 dentre outros textos. “... A história está avançando para um destino... não é um fio fora da meada, nem uma coletânea qualquer de eventos isolados e sem sentido. Há uma consumação. O cristão é um homem que considera que ele mesmo e a totalidade da vida estão a caminho de um alvo”[1]

b.    A promessa da ressurreição dentre os mortos – Em todo o Novo Testamento esta promessa está presente, mas para citar um texto só, veja 1 Tessalonicenses 4. 13-18 – “O cristão é alguém que está caminhando não para a morte, mas para a vida. Para ele a morte não é o abismo do nada ou do aniquilamento. É o ‘portão no horizonte’”[2]

c.    A promessa da vida eterna – Veja, dentre outros textos, Tito 1.2 e 3.7 – “No Novo Testamento a palavra ‘eterna’ ressalta não simplesmente a duração, mas a qualidade da vida. Eterno é a palavra que descreve qualquer coisa que é ‘própria de Deus’. A vida eterna é o tipo de vida que Deus vive. A esperança do cristão é que um dia compartilhará da própria vida de Deus”[3] – Veja 1 Pedro 1.4

5.    Andar com Deus pela fé é, portanto, nos alicerçarmos em Deus e andar “olhando para ele”...

6.    Eu sei que estou andando com Deus pela fé quando Lhe estou sendo obediente em tudo – a obediência é sinal de fé – o que eu faço revela o que eu creio.

7.    Exemplos: Abraão obedeceu e tornou-se pai de uma grande nação, mesmo Sara sendo estéril; Moisés obedeceu e, dentre muito milagres fantásticos, o mar vermelho se abriu; Josué obedeceu e os muros de Jericó vieram abaixo; Gideão obedeceu e, com trezentos homens venceu um exército de mais de cem mil homens. O que esses homens fizeram em obediência a Deus provou que eles eram homens que andavam com Deus pela fé.

8.    O que eu faço em relação àquilo que Deus me diz em Sua Palavra revela o que eu creio e se eu ando com Deus pela fé.

 

II. Que tipos de maravilhas Deus poderá operar usando a mim como instrumento se eu andar com ele pela fé?

 

1.    Através de seus servos no passado Deus operou muitas maravilhas. Alguns exemplos já foram citados acima, mas outros muitos mais poderiam ser citados, como o sol se detendo para que o exército de Israel sob o comando de Josué vencesse a batalha, as muitas maravilhas operadas por Deus através de Elias, Eliseu, através dos apóstolos e também através de outros servos cujos registros não constam das Sagradas Escrituras, como George Mueller por exemplo. A história registra que George Mueller teve mais de cinqüenta mil orações respondidas e quando alguém lhe perguntou qual o segredo ele respondeu com convicção: "Houve um dia em que eu morri: morri: morri para George Mueller. As opiniões, preferências, gostos e vontades dele morreram para o mundo, para sua aprovação ou censura; morreu até mesmo para a aprovação ou censura de meus irmãos e amigos , e, desde então, tenho me dedicado somente a me mostrar 'aprovado aos olhos de Deus".

2.    Para contar só uma das histórias desse homem de Deus:

 

George Müller estava em um navio no Atlântico, em direção de Bristol. Caiu o nevoeiro, e o capitão do navio que posteriormente contou a história estivera em seu posto por três dias, guiando lentamente a embarcação. Deste modo, não havia a menor possibilidade de chegarem ao destino no sábado, onde Müller tinha um compromisso. Então George aproximou-se do capitão e o convidou para orarem juntos. O capitão seguiu Müller para o porão do navio, e eles se ajoelharam. Müller proferiu uma simples oração: “Querido Jesus, Tu sabes a respeito do encontro que marcaste para mim em Bristol no sábado, assim, por favor, afasta o nevoeiro. Amém.” O capitão estava tentando manufaturar algum tipo de oração, mas Müller o deteve. – Em primeiro lugar, o senhor não crê que Deus possa fazer isto – disse ele – e em segundo lugar, creio que Ele já o fez. Se o senhor retornar à ponte de comando, perceberá que o nevoeiro se foi. O capitão saiu lá fora e descobriu que o nevoeiro tinha realmente desaparecido e eles puderam chegar ainda no sábado em Bristol.

 

3.    Como Deus poderá me usar?

a.    Deus poderá me usar para operar a maravilha de levar outros a conhecerem e servirem a Cristo – Walter T. Conner assim se expressa:

 

A missão do Cristão... é por outras pessoas em relação de salvação com Cristo e desenvolver nelas a vida de Cristo. Cada cristão devia ser um evangelista, um mensageiro das boas novas. Nesse sentido todo cristão devia ser um pregador. Esse é um impulso espontâneo da vida nova em nós – levar qualquer outra pessoa a conhecer Cristo e gozar a grande bênção que ele dá. Nossa missão é dar testemunho de Cristo desde Jerusalém até os confins da terra...[4]

 

                                  i.    Eu poderei ser um pastor

                                ii.    Eu poderei ser um missionário

                               iii.    Eu poderei ser um evangelista

                               iv.    Mas mesmo que eu não seja nada disso de maneira “oficial”, posso sê-lo não oficialmente, isto é, posso fazer a obra de Deus, posso evangelizar, testemunhar... Basta dizer ao Senhor: “eis-me aqui, usa-me a mim”

 

b.    Deus poderá me usar para operar a maravilha de ajudar no “aperfeiçoamento dos santos”, na “edificação do corpo de Cristo” – Veja Efésios 4.11-14. Disse alguém que uma de nossas tarefas como crentes já maduros é “transformar ceifa em ceifeiros, colheita em colheitadeiras e maçã em macieiras” – Deus é quem faz isso, mas o faz através de nós. E eu não preciso ser pastor, diácono, líder de alguma área ou professor de Bíblia. Eu só preciso ser maduro e me colocar à disposição de Deus.

c.    Deus poderá me usar para operar a maravilha de elevar o padrão moral da sociedade, representando e refletindo bem a Cristo, fazendo aquilo que ele faria e deixando de fazer aquilo que ele deixaria de fazer. A. W. Tozer alertou certa vez para uma realidade que é tão ou mais presente hoje que na sua época: 

 

"O cristianismo de hoje não transforma as pessoas. Pelo contrário, está sendo transformado por elas. Não está elevando o nível moral da sociedade; está descendo ao nível da própria sociedade...”

 

Mas se eu andar com Deus pela fé, comigo pode ser diferente, Deus pode me usar para elevar o padrão da sociedade, a começar pela pequena sociedade na qual vivo, que está ao meu redor.

 

d.    Deus poderá me levar a realizar um ministério poderoso de oração

e.    Deus poderá me levar a realizar um poderoso ministério de obras sociais

4.    E o que mais? São muitas as maravilhas! Há uma infinidade de possibilidades! Citei apenas algumas e deixo o resto pra vocês pensarem, lembrando, entretanto, que o mais importante é estar andando com Deus pela fé e também lembrando de que “quem anda com o Santo tem que ser santo também”

 

Conclusão

 

1.    Quero encerrar desafiando você a andar com Deus pela fé, entregar-se completamente a Ele, ser completamente dirigido por Ele, dizer a Ele: Senhor, eis-me aqui, usa-me, eu quero, sob Tua direção, ser uma bênção na igreja, na sociedade, na vida das pessoas...

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves



[1] Barclay, William – Palavras Chaves do Novo Testamento – Vida Nova. (Citar esse autor não significa aprovação de sua teologia já que ele descria de algumas doutrinas fundamentais do cristianismo)

[2] Ibid.

[3] Ibid.

[4] Conner, Walter T. – O Evangelho da Redenção - JUERP